Auditoria de enfermagem: o impacto das anotaes de enfermagem no contexto das glosas hospitalares


Recibido: 14 de octubre de 2008
Aceptado: 24 de febrero de 2009

Tnia S. Ferreira1, Andr Luiz de Souza-Braga2 , Geilsa Soraia Cavalcanti-Valente2 , Deise Ferreira de Souza2 , Enilda Moreira Carvalho-Alves2

1 Acadmica do 9 perodo da graduao em enfermagem –UNIPLI

2 Professores do Departamento de Fundamentos de Enfermagem e Administrao – MFE da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa –EEA-AC/UFF, Membros do NECIGEN –Ncleo de Estudos sobre Cidadania, Educao e Gerncia em Enfermagem.


RESUMO

Este estudo tratou da nossa observao frente ao impacto das anotaes de enfermagem no contexto das glosas hospitalares. Nesta perspectiva, a pesquisa se norteia pela seguinte questo: como o profissional de enfermagem pode contribuir atravs dos registros para no ocorrncia da glosa? Temos como objetivo identificar o impacto causado pelo no registro de enfermagem contrapondo s eventuais glosas, evidenciando os principais tipos decorrentes destes registros. Metodologicamente a pesquisa utilizada foi descritiva e explorat-ria, onde utilizamos uma abordagem qualitativa e quantitativa. O estudo se materializou por meio documental e foi realizado no servio de urologia de um hospital privado do municpio de Niteri/RJ. Aps a coleta de dados realizamos uma leitura exploratria, seletiva, analtica e interpretativa. A anlise foi temtica e estatstica das quais emergiram tabelas e grficos, sendo: glosas de medicamentos (53%); glosas de taxas e aluguis (24%); glosas de materiais (23%). Desta forma, procuramos expor a importncia da contribuio do registro de enfermagem no processo de diminuio de glosas hospitalares, mostrando como o profissional de enfermagem a ferramenta fundamental neste contexto. Sendo assim, pretendemos conscientizar e conduzir a prtica dos profissionais da equipe de enfermagem, da responsabilidade e do comprometimento da elaborao completa e adequada do pronturio mdico hospitalar.

PALAVRAS-CHAVE

Auditoria de Enfermagem; Gerncia; Administrao em Sade. (Fonte: DeCs, Bireme).


Auditoría de enfermería: el impacto de las notas de enfermería en el contexto de glosas hospitalarias

RESUMEN

Este estudio se bas en nuestra observacin del efecto que producen los registros de enfermera en el contexto de las glosas hospitalarias. Por consiguiente, la investigacin se orienta a la pregunta: cmo puede contribuir con los registros el profesional de enfermera para evitar la glosa? El objetivo es identificar el efecto de no haber registro de enfermera que evite las eventuales glosas y evidencie los principales tipos resultantes de estos registros. La investigacin fue descriptiva y exploratoria, de tipo cualitativo-cuantitativo. El estudio se materializ en un documental realizado en el servicio de urologa de un hospital privado del municipio de Niteroi, Rio de Janeiro. Despus de recolectar los datos, se hizo una lectura exploratoria, selectiva, analtica e interpretativa. El anlisis temtico permiti elaborar tablas y grficas de glosas de medicamentos (53%), de impuestos y arriendos (24%), de materiales (23%). De este modo se muestra la importancia del registro de enfermera para lograr la disminucin de glosas hospitalarias, destacando que el profesional de enfermera es el elemento clave en este contexto. En consecuencia, tratamos que los profesionales del equipo de enfermera se concienticen de la responsabilidad y el compromiso que significa llevar completa y apropiadamente el registro mdico hospitalario.

PALABRAS CLAVE

Auditoria de enfermera, gerencia, administracin en salud. (Fuente: DeCs, Bireme).


Nursing audit: The impact of nursing annotation in the context of hospital gloss

ABSTRACT

This study is based on our observation of the effect nursing records can have on hospital audits. The question motivating the research is: How can the professional nurse’s records help to avoid audits? The objective is twofold: to identify the effect of not having nursing records that can avoid eventual audits, and to show the primary results of having nursing records. This is a descriptive, exploratory study of a qualitative-quantitative nature. It was developed in documentary form at the urology unit of a private hospital in the town of Niteroi in Rio de Janeiro. The data was collected and examined from an exploratory, selective, analytical and interpretive standpoint. A thematic analysis made it possible to construct tables and graphs of audits involving medication (53%), taxes and rentals (24%), and materials (23%). The study demonstrates the value of nursing records in reducing hospital audits. For that reason, the nursing team must be made aware of the responsibility and commitment involved in keeping complete and appropriate hospital medical records.

KEY WORDS

Nursing audit, management, health administration. (Source: MeSH, Bireme).


Introdução

A anotação de enfermagem o registro do cliente as 24 horas no ambiente hospita-lar. Contem dados sobre sua sade geral e dados administrativos. Sendo assim, promove enri a nformacao da assistncia prestada ao cliente e a equipe multidisciplinar, servindo de instrumento para auditoria, evitando as glosas hospitalares. Este tipo de anotação, ndependentemente da filosofa e das teoras de enfermagem adotadas para fundamentar o processo de enfermagem na nstituio, deve ser valorizada, urna vez que um dos meios para se avahar os cuidados prestados ao cliente a partir da adocao de indicadores de quahdade, para mensurar tanto o processo como os resultados da assistncia de enfermagem (1).

Na sociedade atual as nstituicpes de sade esto evoluindo rpidamente e associan-do quahdade na hospitalização aos servicps prestados, com baixos custos hospitalares. Deste modo, os instrumentos para o monitoramento dos cuidados vm sendo utilizados com a nsercao de profissionais altamente qualificados, que tenha a viso financeira e holstica do cliente. Para podermos entender este processo de custos hospitalares, fizemos um breve relato sobre auditoria e glosas hospitalares (2).

A auditoria em enfermagem refere-se avahacao sistemtica da quahdade da assistncia prestada ao cliente, verificada atravs das anotacpes de enfermagem no pronturio ou das prprias condicpes deste. Existe a auditoria de cuidados, que mensura a quahdade da assistncia em enfermagem, verificada atravs dos registros no pronturio do cliente e das prprias condicpes deste, e a auditoria de custos, que confere e controla o fatura-mento enviado para os planos de sade, quanto aos procedimentos realizados, visitas de ratina, cruzando as nformacpes recebidas com as que constam no pronturio. Portanto, atravs destas auditorias, podemos indicar alternativas preventivas e corretivas. Este um processo educativo, pois no procura os responsveis, mas questiona o porqu dos resultados adversos (1).

A auditoria em enfermagem visa o controle de custos, a quahdade do atendimento ao cliente, pagamento justo da conta hospitalar e a transparncia da negociacao, embasada na conduta tica (1).

Um dos elementos imprescindveis deste processo o pronturio mdico, importante ferramenta legal na avaliaco da quahdade da assistncia prestada ao cliente que fornece nformacao vital para possveis processos judiciais e convnios de sade, pois este o conjunto de documentos padronizados e ordenados, destinados ao registro dos cuidados profissionais prestados pelos servicps de sade pblicos e privados. Desta forma, sua nformacao anahsada e, portanto, havendo dvidas quanto aos procedimentos realizados ou a falta de anotacpes de enfermagem, pode incidir em glosas das contas hospitalares (3).

A glosa o cancelamento parcial ou total do oramento, por serem considerados legis ou indevidos, ou seja, referem-se aos itens que o auditor do plano de sade no considera cabvel o pagamento. As glosas so aplicadas quando qualquer situacao gera dvidas em relacao regra e prtica adotada pela nstituio de sade (4).

Temos as glosas administrativas, de-correntes de falhas operacionais no momento da cobrana, falta de interao entre o plano de sade e o prestador de servio, que esto vinculadas s clusulas contra-tuais; e as glosas tcnicas, decorrentes da equipe de enfermagem ou mdica, onde esto vinculadas a falta de justificativas ou embasamento que se apliquem indicao de determinado procedimento, e a falta de anotao de enfermagem durante a assis-tncia prestada ao cliente (4).

Quando as instituies de sade tm suas contas hospitalares glosadas pelas operadoras de planos de sade, elas po-dem utilizar os recursos de glosas a fim de recuperar suas perdas econmicas. Enten-de–se por recurso de glosa a maneira de recuperar descontos indevidos e corrigir ou detectar erros de faturamento (5).

Em conseqncia, acreditamos na suma importncia da responsabilidade e compromisso da equipe de enfermagem no que diz respeito a registros, tendo como conseqncia s glosas hospitalares, mostrando que necessrio o aperfeioamento continuo da equipe multidisciplinar e todos os profissionais envolvidos no processo do cuidado, com nfase na enfermagem, para uma permanente e melhor qualidade de assistncia (6).

Sendo assim, o objeto do nosso es-tudo o impacto causado pelo registro de enfermagem na diminuio das glosas, que so decorrentes dos registros da equipe mdica e de enfermagem. Um pronturio com a evoluo de enferma-gem, as checagens de medicaes e as anotaes de procedimentos e materiais utilizados relatados corretamente estar isento de glosa. importante destacar que as anotaes no abrangem toda a prtica assistencial da enfermagem, mas por meio das informaes registradas as aes cuidativas so evidenciadas, possi-bilitando a avaliao dos procedimentos assistenciais por meio da auditoria. Tendo como questo norteadora: como o pro-fissional de enfermagem pode contribuir atravs dos registros para no ocorrncia da glosa, cabe ressaltar que atualmente os enfermeiros esto cada vez mais se especializando como auditores, pois as ins-tituies esto procura de profissionais altamente qualificados (7).

O presente estudo tem como objetivo identificar o impacto causado pelo no registro de enfermagem contrapondo s eventuais glosas, evidenciando os principais tipos decorrentes destes registros. Diante do crescente nmero de contas glosadas neste servio de urologia e escassas bibliografias sobre o assunto, buscamos definir como o enfermeiro pode atuar atravs dos registros para a dimi-nuio das glosas atravs de pesquisa realizada neste hospital.

Este estudo contribui na trajetria de disseminao como exerccio fundamental e aumento do conhecimento diante deste importante contexto, e para a linha de pesquisa do ensino permanente e da qua-lidade na assistncia.

A auditoria teve sua origem na rea contbil, cujos fatos e registros datam dos 2.600 anos a.C. Porm, a partir do sculo XII d.C. que esta tcnica passa a receber o nome de auditoria, constatando-se na Inglaterra o seu maior desenvolvimento com a revoluo industrial. Deste modo, a prtica da auditoria recebeu novas diretri-zes na busca de atender as necessidades das grandes empresas. Na rea de sade aparece pela primeira vez no trabalho realizado pelo mdico George Gray Ward, nos Estados Unidos, em 1918. Neste trabalho era verificada a qualidade da assistncia prestada ao cliente, atravs dos registros no pronturio mdico (8).

Kurcgant (2006) afirma ser indiscu-tvel a necessidade e a importncia de um sistema de informao que propicie a todos os elementos da equipe de en-fermagem, informaes necessrias ao desenvolvimento da assistncia. Assim sendo, o sistema de informao em en-fermagem viabiliza o processo de comu-nicao entre os integrantes da equipe de sade e o cliente (9).

Destaca–se, em 1955, o primeiro tra-balho de auditoria na rea da enferma-gem, desenvolvido no Hospital Progress nos Estados Unidos (8).

Antes de 1976, as atividades de auditoria com base no ento Instituto Nacional da Previdncia Social (INPS) eram realizadas pelos supervisores, por meio de apurao em pronturios de clientes e contas hospitalares, porque nesta poca no havia auditoria direta em hospitais. Neste mesmo ano, as contas hospitalares transformam-se em guia de internao hospitalar, ficando as atividades de auditoria estabelecidas como controle formal e tcnico. Logo, em 1978, foi criada a Co-ordenadoria de Controle e Avaliao, nas capitais, e o Servio de Medicina Social, nos municpios (8).

Em 1983 se reconhece o cargo de mdico auditor, e a auditoria passa a ser feita nos prprios hospitais. No Brasil, no hospital de Ipanema, no Rio de Janeiro (8), foram iniciadas experincias isoladas com auditoria mdica, com vista ao forne-cimento de informao para decises administrativas e para o corpo clnico.

Quanto auditoria na rea da enfer-magem, surgiu no hospital Universitrio de So Paulo como um processo implantando desde 1983, com padres estabele-cidos para sustentar a Sistematizao da Assistncia de Enfermagem (SAE). Com este mesmo objetivo, outros hospitais uni-versitrios implantaram mtodo avaliativo na dcada de 80 (1).

Em 1985 a demanda por servios de sade de qualidade, mobilizou tanto pro-fissionais quanto instituies. Um exemplo foi o documento da Organizao Mundial de Sade (OMS), quando foi estabelecido como meta a ser atingida: Sade para Todos. Em-bora no concretizada, houve a proposta de estabelecer mtodos de monitoraza-o sistemtica dos cuidados ministrados, visualizou-se a avaliao e o controle como componentes permanentes das atividades profissionais e institucionais (1).

Em 1990, a lei 8080 estabelece a ne-cessidade de criao do Sistema Nacional de Auditoria (SNA) como instrumento fis-calizador, atribuindo-lhe uma coordena-o da avaliao tcnica e financeira do Sistema nico de Sade (SUS) em todo o territrio nacional. O Decreto 1651 de 28 de setembro de 1995 regulamenta o SNA e define suas competncias nos trs nveis de gesto: federal, estadual e municipal. A lei 9649 de 27 de maio de 1991 define ainda as reas de competncia, como funo legal coordenao, fiscalizao do SUS (8).

A portaria 169 do Ministrio da Sa-de (MS), do gabinete do ministro, de 19 de agosto de 1999, estabelece uma nova organizao de atividades do SNA: as de controle e avaliao ficam com a Secretaria de Assistncia a Sade (SAS), as de auditoria, com o Departamento Nacional de Auditoria do SUS (DENASUS), representada em todos os estados da federao no distrito federal (8).

Em dezembro de 1999, foi criada a Sociedade Brasileira em Enfermeiros Auditores em Sade (SOBEAS), tendo como finalidade agregar profissionais de todo pas, fossem enfermeiros envolvidos ou interessados em auditoria (8) (10).

Em 2000 (decreto 3.496), compete ao DENASUS determinar as responsabilidades dos rgos de auditoria, controlar e avaliar a correo de irregularidades praticadas no SUS, e ainda da assistncia direta e imediata ao gabinete do Ministro (8) (10).

Existe atualmente uma srie de orga-nizaes que praticam a avaliao global da qualidade da sade em instituies, por exemplo, Organizao Internacional para Padronizao (ISO) e a Organizao Nacional de Acreditao (ONA), alm de comisses internas que possibilitam a execuo da avaliao. A comisso da auditoria em enfermagem responsvel de atuar em vrios hospitais (8) (11).

Desta forma, percebemos que no Brasil a auditoria vem tomando impulso nos ltimos cinqenta anos, mesmo se necessita ainda alguns arranjos que melhor se adap-tem ao processo da nossa realidade (1).

Mtodo

Nossa pesquisa foi descritiva, por estar interessada em descrever e conhecer o fenmeno, procurando interpret-lo e descrev-lo; exploratria, pois tm por objetivo facilitar a compreenso do assunto, de modo a construir hipteses, contribuin-do para posteriores estudos cientficos, e proporcionar uma viso mais ampla do problema a ser estudado para orientar, explicar e explorar o contexto da importncia das anotaes de enfermagem (12).

A abordagem metodolgica utilizada foi a qualiquantitativa, pois a pesquisa quali-tativa se preocupa com a compreenso dos processos e fenmenos e a quantitativa faz o estudo de caso, quantifica os valores e procura correlaes estatsticas (13).

Antes, foi realizada pesquisa documental de materiais que no receberam trata-mento analtico, como documentos conservados em rgos pblicos e instituies privadas, e os documentos que de alguma forma j foram analisados: relatrios de pesquisa, relatrios de empresas, tabelas estatsticas e outros. E assim, utilizamos documentos no convencionais, porm usuais no ambiente hospitalar, vinculando-se a relatrios de glosas do convnio de sade e contas hospitalares j auditadas internamente neste hospital (14).

Elaboramos como instrumento de coleta de dados uma planilha no Microsoft Excel, que possua os elementos da pesquisa, onde mencionaremos as glosas ocorridas em um servio de urologia de um hospital privado de mdio porte da cidade de Nite-ri, RJ, no setor de faturamento, no perodo de fevereiro de 2008, tendo como re-ferncia os meses de outubro e novembro de 2007. Foram obtidos 215 internaes e 926 atendimentos ambulatrias; destes, ocorreram 125 atendimentos glosados. Em total, foram 4.380 itens glosados, que do uma grande importncia na elabora-o da pesquisa cientfica.

Aps a coleta de dados, realizamos a leitura exploratria para evidenciar se o texto tem sentido em relao pesquisa. Posteriormente, fizemos uma leitura sele-tiva, elegendo e avaliando a contribuio de cada texto e seus principais tpicos; e uma leitura analtica para apresentar os pontos relevantes e avaliar a contribuio de cada pesquisa (15) (16). Finalizamos

com a leitura interpretativa para estabe-lecer relaes, confrontar idias e confirmar opinies (15).

Em seguida, a anlise foi feita de forma temtica e estatstica, onde verificamos o que o texto diz, focalizando a capacidade do pesquisador para avahar a adequacao das teorizacpes disponveis aos fenmenos por ele observados (15).

Anlise e discusso dos dados

Com vistas a identificar o impacto causado pelo no registro de enfermagem contrapondo s eventuais glosas, evidenciando os principis tipos decorrentes destes registros, realizamos a pesquisa no servio de urologia de um hospital privado de mdio porte no municpio de Niteri, no estado do Rio de Janeiro, setor de fatu-ramento. Recolhemos dados elaborados em planilha no programa Microsoft Excel, em fevereiro de 2008, tendo como referencia os meses de outubro e novembro de 2007. Com um total de 215 internaes e 926 consultas ambulatrias, pudemos observar que destes 125 atendimentos e 4.380 itens foram glosados. Desta forma, elaboramos quadros para descrever as glosas ocorridas e seus respectivos motivos, considerando os componentes medicamentos, taxas e aluguis, e materiais. No nos estendemos nas glosas de exames, as glosas mdicas e as glosas administrativas, pois o foco da pesquisa o registro de enfermagem, e assim organizamos breves comentrios.

O item medicamento recebeu o maior nmero de glosas, sendo seu valor em real de R$ 8.551,07 (53,16%), seguido de Dado que alto o nmero de itens mencionados dentre os mltiplos elementos, optamos por selecionar somen-te os trs mais representativos de cada um deles. No quadro 1, em Medicamento observamos os itens que tiveram maior representatividade: maxcef R$ 2.505,00 (47,12%), levaquim R$ 1.680,89 (31,61%) e fortaz R$ 1.264,75 (23,79%). As glosas ocorridas foram por falta de anotao/ checagem de enfermagem e de justificativa. Estes desacertos vm ocorrendo porque na maioria das vezes a enfermagem atua com certa desateno nas anotaes. Ao escrever as evolues de enfermagem de forma ilegvel e incompleta, no do a informao necessria e geram dvidas sobre o tratamento aplicado.

Segundo Brunner (17), o registro de cuidados de sade do cliente foi e ainda executado com a inteno de promover um meio de comunicao entre os mem-bros do grupo de sade para facilitar a coordenao e a continuidade do plane-jamento. O registro de enfermagem tem outras funes: atua como registro legal e comercial da organizao hospitalar e dos grupos de profissionais responsveis pelo taxas e aluguis R$ 3.919,41 (24,36%) e materiais R$ 3.614,80 (22,47%), como demonstra o grfico 1.

tratamento do cliente, serve de base para avaliao e eficincia da qualidade das prticas em sade, promovendo um dado til de pesquisa, educao e planejamento a curto e longo prazos.

Segundo o cdigo de tica de medicina, de responsabilidade mdica, a elaborao da prescrio e receita de medicamento, pois atribuio exclusiva do mdico o diagnstico de qualquer patologia e o seu tratamento especfico, ou seja, ao mdico cabe a prescrio do medicamento e a enfermagem cabe a anotao e checagem (3).

As anotaes que demonstram a realizao adequada da teraputica medicamentosa com resultados de intervenes de enfermagem, orientaes, cuidados prestados de forma sistematizada e coe-rente, so evidncias objetivas da qualidade da assistncia prestada ao cliente (1).

O profissional enfermeiro, que um educador na sua essncia, deve sensibilizar os membros dessa equipe quanto importncia da anotao e do envolvimento no processo de trabalho por ser responsvel dos resultados obtidos por sua equipe. Podem se utilizar ferramentas educativas para tal, sempre enfatizando que dita anotao servir como respaldo legal sobre a qualidade da assistncia prestada ao cliente e quanto aos valores que a instituio receber ou no dependendo desse registro (1).

De acordo com o quadro 2, de taxas e aluguis o item mais representativo foi o oxignio com o valor de R$ 1.936,96 (79,51%), seguido do curativo R$ 1.008,52 (41,40%) e nebulizao R$ 644,08 (26,44%). A carn-cia de carimbos, relato de hora de incio e trmino, falta de assinatura ou a falta de relato na evoluo de enfermagem incidem em glosa. No item oxignio, uma das maiores perdas da instituio, h falha na evoluo ou a mesma pode estar incompleta, sem nenhuma justificativa para o cliente estar utilizando o mesmo, acarretando tam-bm em glosa.

Posteriormente, apresentamos o quadro 3 de materiais. Os itens compressa de gaze R$ 1.001,12 (44,55%), luva de pro-cedimento R$ 869,62 (38,70%) e jelco R$ 656,76 (29,22%) denotam mais a carncia do registro de enfermagem sobre procedi-mento realizado, pois a falta de justificativa pela quantidade utilizada pode advir glosa. As falhas ocorridas na maioria das vezes por falta de anotao, prescrio e checagem da equipe de enfermagem ele-vam as glosas e acarretam de forma expressiva as despesas da instituio.

Segundo Figueiredo (18), so de res-ponsabilidade da equipe de enfermagem as anotaes no grfico de sinais vitais, na folha de relatrio, que contem informao sobre dieta, eliminaes, movimentaes, procedimentos realizados, intercorrncias e outros dados relacionados ao cliente.

As instituies, tentando recuperar seus prejuzos, elaboram recursos de glosas ba-seados em justificativas dos profissionais envolvidos nos procedimentos. Ponderando as justificativas dos recursos, percebese que a maioria estava relacionada equipe de enfermagem.

Os resultados apontam que as anota-es de enfermagem contribuem de forma substancial para um elevado percentual de recuperao dos itens glosados, foco da pesquisa.

Os recursos de glosa aplicados de medicamentos, taxas e aluguis, materiais, exames, glosa mdica e glosa adminis-trava, totalizam aproximadamente o valor de R$ 26.789,26, e acham-se relacionadas aos medicamentos (R$ 8.551,07), aos ma-teriais (R$ 3.614,80) e as taxas e aluguis (R$ 3.919,41).

Porm, os itens medicamentos, ma-teriais e taxas so recuperados mediante a anotacao de enfermagem, visto que a recuperaqao das glosas de exames, as glosas mdicas e as administrativas ser mais complexas.

Observouse que a no anotacao de enfermagem representou um custo para nstituicao no valor de R$ 16.085,28, mostrando sua importncia, pois a maioria das justificativas encontravase suportada apenas em registros de enfermagem.

Vimos tambm que o quantitativo de recursos humanos pode acabar por ocasionar estas fallas, pois a equipe de enfermagem estar prestando os cuidados aos clientes, acabando por faltar tempo necessrio para realizacao dos registros. Ento devemos atentar para o aspecto da dentificacao da carga mdia de traba-Iho diria na assistncia, consistindo na quantidade de clientes assistidos. Pois os trabajadores no so produtivos, igualmente, em todo o tempo do turno de trabalho, por realizarem urna srie de atividades no diretamente relacionadas s suas tarefas profissionais. Porm isto no justifica, pois devemos nos organizar, fazendo planejamento das atividades para estruturar os recursos humanos de acordo com a quantidade de clientes (9).

A questo de custos na rea de sade tem exigido profissionais qualificados que cooperem no resultado econmico da nstituicao. Dado que as perdas de materiais e medicamentos as principis fontes lucrativas do hospitalso pouco controladas, a auditoria em enfermagem pode desempenhar um trabalho proativo em semelhanga a este aspecto (1) (18).

Considerares finis

A nformao atinente s acpes e observacpes cumpridas pela equipe de enfermagem so registradas para gerenciar a assistncia e avaliar a qualidade do atendimento ao cliente (19). Isso deve ser feito com base nas auditorias externas provenientes dos convnios de sade ou nas internas da prpria instituio, que visam apurar a desateno na assistn-cia, e assim reavaliar contas detectadas freqentemente pela ausncia de dados fundamentais para o esclarecimento de aes realizadas, bem como pela falta de registros (19) (20).

Ressaltase que a anotao de enfer-magem no deve ser encarada como um simples cumprimento de norma burocrtica, passvel de esquecimento; preciso que se tenha a noo de sua real importn-cia e das implicaes decorrentes do no preenchimento correto deste documento.

Ressaltase que a anotao de enfermagem no deve ser encarada como um simples cumprimento de norma burocrtica, passvel de esquecimento; preciso que se tenha a noo de sua real importn-cia e das implicaes decorrentes do no preenchimento correto deste documento. Deve ser do interesse de toda equipe multidisciplinar que o pronturio esteja preenchido adequadamente, no intuito de gerar informaes precisas, pois diante de procedimentos no comprovados ou anotados de forma deficiente, repercutir em glosas e a instituio ser penalizada em seus resultados financeiros (4).

O quantitativo de profissionais no suficiente muitas vezes para executar completamente as aes pertinentes equipe de enfermagem. Cabe empresa atentar se mais vale pena ter poucos profissionais e assim acarretar em futuras glosas ou se contratar mais profissio-nais seria a soluo (15).

Acreditamos na necessidade de que os enfermeiros avaliem como esto sendo realizados os registros, tendo uma viso crtica e propositora de sua atuao, pois devemos desempenhar as atividades focando sempre na qualidade da assistncia prestada aos clientes, e atuar administrativamente gerenciando sua equipe.

Neste estudo destacase que os enfermeiros passem a avaliar como esto os registros de sua equipe, fazendo um planejamento das atividades, visando educao continuada, realizando treina-mento sistematizado, capacitando sua equipe para a valorizao das anotaes. Estas aes so um indicador de qualidade dos cuidados prestados ao cliente e de uma gesto eficaz. indispensvel neste processo o pleno conhecimento da equipe, a padronizao do processo de trabalho com protocolos, a capacitao contnua e sistematizada, a reflexo sobre o contedo da informao e dos impressos para anotao (1).

Cabe tambm salientar a importncia do compromisso, da responsabilidade, da competncia tcnico-cientifica e o resgate do trabalho da enfermagem expresso nas anotaes acerca da assistncia prestada.

Diante do exposto, desejamos que este estudo contribua a proporcionar uma maior reflexo dos profissionais de en-fermagem quanto importncia de seus registros e trajetria de disseminao como exerccio fundamental e aumento do conhecimento diante deste importante contexto, e assim colaborar para a linha de pesquisa do ensino permanente e da qualidade na assistncia.

REFERENCIAS

1. D'Innocenzo M et al. Indicadores, auditorias, certi-ficaçóes: ferramentas de qualidade para gestáo em saúde. São Paulo: Martinar; 2006.

2. Oliveira AF. Avaliaçáo do impacto das intervençóes nos pontos críticos detectados na pré-análise de auditoria em enfermagem. [Tese de doutorado]. São Paulo:USP; 2003.

3. Conselho Federal de Medicina. Código de ética dos profissionais de medicina [online]. Resoluçáo 1331/89. Disponível em: www.portalmedico.org.br Acesso em Nov 2007.

4. Francisco MTR. Auditoria em enfermagem: padróes, critérios de avaliaçáo e instrumentos. 3a ed. São Paulo: Cedas; 1993.

5. Torres L. Auditoria em enfermagem. [Tese de doutorado]. São Paulo: USP; 1977.

6. Bauer L, Feldman. Como alcançar qualidades ñas ins-tituiçóes de saúde: critério de avaliaçóes, procedi-mentos de controle, gerenciamento de riscos hospi-talares até a certificaçáo. São Paulo: Martinar; 2004.

7. Oswaldo L. Princípios elementares de custos hospi-talares. 2a ed. São Paulo:_1975.

8. Ministério da Saúde: história da auditoria em saúde. [online]. Disponível em: www.sna.saude.gov.br/his-toria.cfm Acesso em Nov 2007.

9. Kurcgant P. Administraçáo em enfermagem. São Paulo: EPU; 1991.

10. Silva RCL, Voivodic RA, Rodrigues AS, Rangel JR. “Quimo” enfermagem-política pública de saúde. Rio de Janeiro: Águia Dourada; 2006.

11. Ministério da Saúde. Secretaria de Assisténcia a Saúde. Manual Brasileiro de Acreditacáo Hospitalar. 3a ed. Revista Atual. Brasília, 2002. (Serie A. Normas e Manuais Técnicos).

12. Lakatos E, Marconi A. Metodología do trabalho científico: procedimentos básicos, pesquisa bibliográfica, projeto e relatório, publicaçóes e trabalhos científicos. 4a ed. São Paulo: Atlas;1998.

13. Leopardi M T (Org.) Saber fazer, saber criar - Núcleo de pesquisa. Florianópolis: Papa-Livro; 1995.

14. Macieira S, Ventura M. Como elaborar projeto, monografía e artigo científico. Rio de Janeiro: Freí Bastos; 2006.

15. Bastos L, Paixáo L, Monteiro L. Manual para elabo-raçáo de projetos e relatórios de pesquisa, teses, dis-sertaçóes e monografías. Rio de Janeiro: LTC; 2006.

16. Mattar J. Metodología científica: na era da informática. 3a ed. São Paulo: Saraiva; 2008.

17. Brunner L, Suddarth D. Tratado enfermagem médico cirúrgico. 10a ed. Rio de Janeiro: Interamerica-na; 2005.

18. Figueiredo N, Viana D. Tratado prático de Enfermagem. São Paulo: Yendis; 2006.

19. Toppan M. Administraçáo hospitalar. São Paulo: EDART; 1976.

20. Senutt C. Enfermagem e Administraçáo. São Paulo: EPU; 1976.

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c)



Indexada en: Scopus (Q4)SciELO Citation IndexRedalycPublindex (C), Lilacs, EBSCO-Fuente Académica, DOAJDialnetCuidenLatindex (catálogo)PERIÓDICA, Ulrich's, Google AcadémicoProQuest - Social Science Journals

Correo electrónico: aquichan@unisabana.edu.co
Canje: canje.biblioteca@unisabana.edu.co